sábado, 23 de julho de 2011

PRAIA DE FILADÉLFIA, TO, NO LAGO TOCANTINS

              O enchimento do lago da UHE - Estreito, Lago Tocantins, já nos causou tantas frustrações, que ficar enumerando mais algumas não contribui em nada para amenizar a nossa insatisfação. É bem sabido que apontar erros em algo contruído é fácil, difícil é construir. Mesmo sabendo disso, penso que alguns erros poderiam ser evitados se tivesse mais planejamento na execução de certas ações e que a execução delas fosse projetada e supervisionada por profissionais com conhecimento específico na área de sua abrangância.


             A água da praia artificial de Filadélfia é renovada apenas pelo gargalo mostrado na foto acima. A partir dele se abre um bolsão em que, em suas margens, foi construída a praia. Muito acima, depois dos pés de babaçu, no alto desta foto, foi feito um canal, na tentativa de amenizar o erro. Desde as palmeiras até a ponta do gargalo superior formou-se uma península, local em que penso que a localização da praia seria mais acertada. Opinião que ouvi de dois moradores de Filadélfia, quando esperava a balsa para voltar a Carolina, de que a praia deveria ter sido localizada naquela área. Dessa forma, a opinião deles coincidia com a análise que havia feito anteriormente, não precisando, portanto, ser um engenheiro para analisar o óbvio.

Bolsão, após o gargalo, onde se localiza a praia de Filadélfia, TO.


              A fotografia acima é do interior de uma barraca localizada ao lado do aterro que dá acesso ao porto de Filadélfia. Local em que ouvi a opinião dos dois moradores sobre a praia. Nas barracas, em torno de seis, vendem-se água, cerveja, café e coco, bem como nos protejem do Sol na espera da balsa para a travesssia. A existência das barracas, mesmo que um cenário totalmente modificado, nos traz lembranças do passado, quando esperávamos, embaixo de outras semelhantes, a vinda da balsa.

Praia de Filadélfia, TO.

              A foto acima é de rua de Filadélfia, TO, antes localizada na periferia, longe do rio, agora está de frente para a praia e para o Lago Tocantins. A seguir, fotos das casas ali localizadas.


              Conversei com um morador daquela rua, chama-se Edmar. Tentei puxar assunto com a sua esposa, devido o jardim, localizado na frente e na lateral da casa deles, estar bem cuidado, mas ela não me permitiu ir além da pergunta sobre quem cuidava das belas plantas. Ele, ao contrário, além de me permitir bater a sua foto, me falou da precariedade de sua casa, de planos para o futuro e da beleza da paisagem que ganhou.

               Morador Edmar. Comentei com ele sobre o belo número de sua casa (1888) e adorei as araras em madeira embelezando a sua simples moradia.

                Detalhe da casa do Edmar. Construída em pau-a-pique e coberta com palha de piaçava.

Praia de Filadélfia ainda não inaugurada.


               A areia da praia natural, existente antes do lago, era úmida, o que favorecia o deslocamento dos banhistas, já que ficava compactada e não aquecia, queimando o solado dos pés. A da tual é seca, fofa e quente. Mais um erro?
               Soube, em Carolina, que alguns terrenos, localizados defronte do lago, já estão sendo vendidos para moradores de Araguaína por R$ 60.000,00. Torço para que algo positivo  apareça em Carolina em Filadélfia que compense a perda irreparável do Rio Tocantins.

0 comentários: